sábado, 17 de maio de 2014

Descarga

A cada dia vivido,
nos cobramos mudanças.
A vida vai passando,
e nos surgem lembranças.

Houve tempos bons,
onde a maior preocupação,
era a prova de matemática,
ou não poder ver televisão.

Saudades de não poder,
e conquistar a permissão.
Uma dependência benigna,
consolo e proteção.

Nunca aceitei,
que não houve evolução.
Estamos em desenvolvimento,
obtendo fomento,
pra continuação.

Nossos casulos,
se quebram e dão lugar,
ao que procuro chamar,
de “se virar”.

Quebramos a cabeça,
pra tentar sobreviver.
Quebramos o cabaço,
nos fodemos sem saber.

Consolidamos territórios,
obtemos propriedades.
Nos armamos, nos amamos,
nem sempre de verdade.

Imagina-se que há um ciclo,
e já está tudo programado.
Se quiser mudar o plano,
é taxado de fracassado.

Escolhemos de acordo,
com o que os outros pensarão.
Importamos com opiniões,
dos pais, amigos e até do patrão.

O que queremos,
se confunde.
O que gostamos,
se perde.
E o que era nosso, 
já não é mais.

Nossos ídolos se foram,
nossas causas são frescuras.
As famílias são distantes,
os adultos imaturos.

Os nossos professores,
guardiões do conhecimento,
ganham menos dinheiro,
e mais sofrimento.

Viemos do campo,
fomos pra cidade.
Nos tornamos bichos fracos,
não há mais dor no Mertiolate.

Assistimos merdas na tv,
com protagonistas reais.
A bondade é notícia,
que não vejo nos jornais.

Amamos consumir,
comer, cagar e peidar.
Parcelamos a tv,
a viagem e o Ford ká.

Adoramos Deuses,
que nos “amam”.
Se o dízimo não pagar,
nos tomam.

O papa agora é pop,
antes era só papa.

Tomamos remédios pra tudo,
vacinamos nosso consciente.
O problema é com o mundo?
Ou com a gente?

Ladies & Gentlemen.
Sem nenhum orgulho,
lhes apresento o Brasil.
O fantástico mundo de Bobo,
onde leigo é Rei também "Tio". 

Se existe esperança,
pago o preço que for.
Espero que o garçom da vida,
me mande uma dose,
e sirva logo, por favor.

Um comentário:

  1. Muito bom Jader, pura realidade, triste realidade.

    ResponderExcluir